Condicionamento operante e respondente no treinamento policial para uso da força:

possibilidade de um retorno às tradições baseado em evidências

Autores

  • José Eleutério da Rocha Neto Polícia Militar do Paraná

DOI:

https://doi.org/10.56081/2763-9940/revsusp.v1i2.a12

Palavras-chave:

polícia baseada em evidências, treinamento policial, educação policial, uso da força, segurança pública

Resumo

Com o grande debate, de alcance mundial, sobre o uso da força por parte de agentes policiais, faz-se necessário o estudo do treinamento policial. Diante de evidências da ineficácia da metodologia de treinamento usualmente aplicada, foi apresentada outra perspectiva sobre o treinamento policial, baseada em princípios da Análise do Comportamento e em evidências publicadas na literatura. Para tanto, adotou-se uma revisão narrativa da literatura. A partir dela, foi proposto um método baseado na modelagem dos comportamentos do policial, devido à necessidade do emprego de força e ao uso de estímulos estressores durante o treinamento. Ainda, expuseram-se evidências experimentais que respaldam o método para treinamento apresentado. O método guarda semelhanças com algumas práticas tradicionais do treinamento militar e policial, que também foram brevemente exploradas, traçando uma linha divisória entre práticas eficientes e abusivas. Concluiu-se que a perspectiva do treinamento apresentada pode auxiliar a capacitação de profissionais de segurança pública para o emprego de força. O retorno a algumas tradições do treinamento, com algumas ressalvas, pode ser salutar ao processo de capacitação do policial. Novas pesquisas que explorem o tema são necessárias.

Referências

ALPERT, Geoffrey P.; DUNHAM, Roger G. Understanding Police Use of Force: Officers, Suspects, and Reciprocity. Cambridge: Cambridge University Press, 2004.

BAUM, William. Compreender o Behaviorismo. 3a Ed. ed. Porto Alegre: Artmed, 2019.

BERTILSSON, Johan.; FREDRIKSSON, Peter. Fire-arms and self- defense training in Sweden. In: STANISLAS, Perry. (Ed.). International Perspectives on Police Education and Training. New York: Routledge, 2014.

BLAIR, J. Pete. et al. Reasonableness and Reaction Time. Police Quarterly, v. 14, n. 4, p. 323–343, 5 dez. 2011.

BOUCHARD, Stephane et al. The Potential of Stress Management Training as a Coping Strategy for Stressors Experienced in Theater of Operation: A Systematic Review. In: OVUGA, Emilio (Ed.). Post Traumatic Stress Disorders in a Global Context. Rijeka: InTech, 2012. p. 271–286.

BUENO, Samira; LIMA, Renato S. DE; TEIXEIRA, Marco A. C. Limites do uso da força policial no Estado de São Paulo. Cadernos EBAPE.BR, v. 17, n. spe, p. 783–799, nov. 2019.

CARRARA, Kester. O essencial em B.F. Skinner (1904-1990). In: ZILIO, Diego; CARRARA, Kester (Eds.). Behaviorismos: reflexões históricas e conceituais. São Paulo: Paradigma, 2016.

ELEUTÉRIO, José. Si vis pacem: tópicos sobre combate e treinamento policial. Campinas: Primeira Edição, 2020.

GROSSMAN, Dave. On killing: the psychological cost of learning to kill in war and society. 3a Ed. New York: Back Bay Books, 2009.

GROSSMAN, Dave.; CHRISTENSEN, Loren. On combat: The psychology and physiology of deadly conflict in war and peace. 3a Ed. Mascoutah: Warrior Science, 2008.

KELLER, Fred S.; SCHOENFELD, William N. Princípios de Psicologia. São Paulo: Editora Pedagógica Universitária, 1974.

LEWINSKI, William. J. et al. The influence of officer equipment and protection on short sprinting performance. Applied Ergonomics, v. 47, p. 65–71, mar. 2015.

LIU, Yuxin et al. Impact of a Simulated Stress Training Program on the Tactical Shooting Performance of SWAT Trainees. Research Quarterly for Exercise and Sport, v. 89, n. 4, p. 482–489, 2018.

MAIER, Steven F.; SELIGMAN, Martin E. P. Learned helplessness at fifty: Insights from neuroscience. Psychological Review, v. 123, n. 4, p. 349–367, jul. 2016.

MICHAEL, Jack. Establishing operations. The Behavior analyst, v. 16, n. 2, p. 191–206, 1993.

MOREIRA, Márcio B.; MEDEIROS, Carlos A. de. Princípios básicos de análise do comportamento. 2a Ed. ed. São Paulo: Artmed, 2019.

NIEUWENHUYS, Arne; OUDEJANS, Raôul R. D. Effects of anxiety on handgun shooting behavior of police officers: a pilot study. Anxiety, Stress & Coping, v. 23, n. 2, p. 225–233, mar. 2010.

OUDEJANS, Raôul. Reality-based practice under pressure improves handgun shooting performance of police officers. Ergonomics, v. 51, n. 3, p. 261–273, 25 mar. 2008.

PINC, Tânia Maria. Treinamento policial: um meio de difusão de políticas públicas que incidem na conduta individual do policial de rua. 2011. Tese (Doutorado em Ciência Política) - Departamento de Ciência Política, Universidade de São Paulo, São Paulo.

PMPR (Polícia Militar do Paraná). Diretriz no 004/2015 - Uso Seletivo ou Diferenciado da ForçaCuritiba, 2015.

SKINNER, Burhus. F. Ciência e comportamento humano. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

STANISLAS, Perry. International Perspectives on Police Education and Training. New York: Routledge, 2014.

TAYLOR, Paul L. Dispatch Priming and the Police Decision to Use Deadly Force. Police Quarterly, v. 23, n. 3, p. 311–332, 30 set. 2020.

TAYLOR, Paul L. “Engineering Resilience” Into Split-Second Shoot/No Shoot Decisions: The Effect of Muzzle-Position. Police Quarterly, v. 24, n. 2, p. 185–204, 30 jun. 2021.

ZILIO, Diego; CARRARA, Kester. Apresentação. In: ZILIO, Diego; CARRARA, Kester (Eds.). Behaviorismos: reflexões históricas e conceituais. São Paulo: Paradigma, 2016.

Downloads

Publicado

2022-12-05

Como Citar

Eleutério da Rocha Neto, J. (2022). Condicionamento operante e respondente no treinamento policial para uso da força:: possibilidade de um retorno às tradições baseado em evidências. Revista Do Sistema Único De Segurança Pública, 1(2). https://doi.org/10.56081/2763-9940/revsusp.v1i2.a12

Edição

Seção

Artigos